27 abril 2007

Olhando o mar sem ti


Se eu chamar por ti voltas?
Se eu pedir ao vento que me traga a tua voz ela vai chegar aos meus ouvidos?
Se eu pedir ao vento que me traga as tuas mãos voltas a abraçar-me o corpo e a dar-me as mãos enroladas em mim, prendendo-me a ti?
Se eu pedir ao vento que me traga o teu sopro, a tua respiração, o teu ar quente que exalas de ti, e assim me venhas secar as lágrimas destes dias tristes, vens olhar-me do alto desse mar azul?
Se eu sonhar com a força suficiente que as coisas podem mudar, achas que te tenho de novo, pelo menos nos sonhos?
Não sei o que é pior, sofrer por não te ter, ou se sofrer por não ter com quem sonhar e debater-me apenas com este vazio de ti e de tudo o que enchia antes. Mesmo que o dantes fosse quase tão vazio como o agora...
27.04.2007

1 comentário:

alexandre disse...

"...vazio...."

Poderiamos ter a noção do que nos parece vazio ou achamos sem nada achar?
Como dizia Platão,só podemos sofre,porque já experimentámos felicidade!
Talvez...apenas talvez,fosse entediante sermos sempre felizes...sem amargo,sem espinho,sem ausência,sem saudade...como seria?
Qual o paladar do que sabemos doce?Qual o toque da pele macia?
Qual a alegria do reencontro?
Qual a memória do que e de quem gostamos?

Se esperimentamos por vezes o desespero,isso não é mao como parece,é "apenas" sinal que não esquecemos a esperança!