17 maio 2007

Dias novos


As promessas que chegam pela manhã com a verdade nua e crua do dia que nasce e da esperança que se renova a cada dia que passa, essas são as mais difíceis de conviver e enterrar no crepúsculo de todos os fins do dia quando o sol se deita. Porque pela manhã tenho sempre a esperança que esse novo dia que se avizinha seja diferente, e que, seja hoje, neste dia que volta a dar-nos todas as hipóteses de redenção e de vivência completa, que seja neste dia que me digas com os teus olhos, com o teu corpo, com a tua mão, que procura o bater do meu coração, que seja hoje o dia em que te oiço um Amo-te. Mas nunca é. E no fim do dia nunca chego a entender porque me dizes Adeus. Sempre. E todos os dias, quando acordo, e as tais promessas que chegam pela manhã, peço a Deus que seja nesta, a manhã, que seja este o dia e principalmente, que seja esta a noite em que não te vou perder para qualquer outra pessoa. Mas é sempre. E todas as manhãs, afinal as promessas são mais ténues. E a cada dia, por mais promessas que a manhã e o início de um novo dia me tragam, estou mais fraca pelo alongamento exagerado da paciência.

15.05.2007

4 comentários:

alexandre disse...

ainda que como agnóstico e ateu....uma promessa,revela a essência do Ser,quebrá-la será o mesmo que negarmos aquilo que somos!

algevo disse...

Cada um de nós acredita num Deus à sua maneira. O meu está simbolizado numa cruz, o teu pode estar apenas dentro de ti numa força que todos temos para seguir em frente e conseguir dar a volta. Ou por simplesmente acreditarmos.

Bom fim de semana!

I.

acccv (lua) disse...

olha amiga continua a escrever que eu gosto muito, mas o problema é que ando cheia de sono e n consigo ler mais que duas ou tres linhas...

mas hoje passei aqui especialmente para dizer que tenho muitas saudades tuas e desse teu novo "amigo" alexandre, se eu o apanho nem sabe o que lhe faço...
beijos para vocês.

algevo disse...

minha querida e linda (agora ainda mais...) Amiga,

Vá... entre uma soneca e outra sempre lerás algumas das minhas tristes linhas.

Não o desmanches, olha que o rapaz me parece q.b. de sensivel, e tu, que nalguns dias primas pelo carinho descomunal em forma de força ainda o desmanchas!!!

Beijos gigantes!

I.